Curso de degustação de vinhos com Denominação de Origem Vale dos Vinhedos é ofertado pela Miolo

Curso de degustação de vinhos com Denominação de Origem Vale dos Vinhedos é ofertado pela Miolo

Anúncios

Vinicola Miolo.jpgO curso especial tem o objetivo de apresentar as peculiaridades dos vinhos reconhecidos e proporcionar uma experiência única aos visitantes com um tour exclusivo.

A Miolo Wine Group é uma das vinícolas que mais participam do processo da Denominação de Origem Vale dos Vinhedos, única para vinhos do Brasil, cuja gestão é realizada pela Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos – Aprovale. O processo é bastante rigoroso, atesta a origem e peculiaridade, e avalia a qualidade dos vinhos tintos, brancos e espumantes de variedades que melhor se adaptaram ao local de origem.

Diante deste envolvimento e com o objetivo de sensibilizar o enófilo quanto à importância deste processo, a vinícola acaba de lançar um mini curso exclusivo sobre os seus vinhos que ostentam o selo da D.O.V.V. O curso acontecerá de segunda a sábado, a partir de 30 de maio, em dois horários diários: as 10h30min e as 14h30min. As visitas também serão dedicadas a pequenos grupos: cada horário terá 12 participantes apenas.

A programação contempla um roteiro diferenciado: inicia com um passeio pelos vinhedos, onde são apresentadas as variedades de uvas. Em seguida ocorre a visita pela vinícola, onde o processo de elaboração dos vinhos acontece. Do alto da torre da Miolo, com uma belíssima vista para o Vale dos Vinhedos, o visitante degusta o Millesime Brut D.O., eleito o melhor espumante do método champenoise do Hemisfério Sul. Nas caves, os anos de tradição e legado da família Miolo são apresentados com orgulho através de uma degustação do Merlot Terroir D.O., eleito melhor Merlot do Mundo em Londres. A degustação é realizada no acervo particular do Enólogo Adriano Miolo. A visita finaliza com a degustação de dois vinhos e dois espumantes em uma das salas de degustação.

Para participar deste mini curso, é necessário o investimento de R$ 60 por pessoa. As visitas iniciarão a partir de 30 de maio, e o agendamento prévio deve ser realizado através dos canais da Miolo: visita@miolo.com.br ou 54.2102.1537

 

PrintSobre a Denominação de Origem Vale dos Vinhedos
O Vale dos Vinhedos é a única Denominação de Origem para vinhos no Brasil e suas regras são bastante específicas, principalmente quanto aos cultivares autorizados e produtividade por pé e hectare. A qualidade dos produtos inscritos também é avaliada por um corpo especializado de degustadores. Ao adquirir um vinho com D.O.V.V., o consumidor leva pra casa um vinho com as características únicas do Vale dos Vinhedos e a certeza de qualidade.

As regras completas para a para a D.O.V.V. podem ser conferidas no site do Vale, neste link: http://www.valedosvinhedos.com.br/vale/conteudo.php?view=98&idpai=132

E a lista completa de vinícolas e vinhos que ostentam o registro, neste link: http://www.valedosvinhedos.com.br/vale/conteudo.php?view=97&idpai=132

FAO defende estratégia de comercialização de alimentos baseada no lugar de origem dos produtos

FAO defende estratégia de comercialização de alimentos baseada no lugar de origem dos produtos

cropped-021.jpgFoto: Acervo Miolo Wine Group

Vender bens alimentícios especificando o lugar de origem do produto pode melhorar os lucros e estimular o crescimento de comunidades agrícolas. A avaliação é de um estudo divulgado em abril (26) pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Agência da ONU analisou nove produtos – incluindo o vinho brasileiro do Vale dos Vinhedos – e concluiu que o uso da indicação geográfica pode aumentar os preços finais em 20 a 50%.

Elaborado em parceria com o Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento (BERD), o relatório da FAO aponta que os alimentos vendidos com a indicação de onde foram feitos faturam, por ano, mais de 50 bilhões de dólares.

“As indicações geográficas são uma estratégia dos sistemas de produção e comercialização de alimentos que coloca as considerações sociais, culturais e ambientais no centro da cadeia de valor”, explica o economista do Centro de Investimentos da FAO, Emmanuel Hidier. Segundo o especialista, tal medida pode abrir caminho para o desenvolvimento sustentável e para mercados mais rentáveis.

Vinho brasileiro
No Brasil, a cadeia do vinho do Vale dos Vinhedos é um exemplo de uso da indicação geográfica para a penetração do produto em novos mercados. Em 2002, 19 vinícolas — das 26 instaladas no Vale — obtiveram o direito de vender sua bebida com uma Indicação de Procedência (IP). À época, as empresas que conseguiram a rotulagem produziam 1,5 milhão de litros de vinho por ano — o que representava 20% de toda a produção local.

O estabelecimento da Indicação de Procedência não é um processo simples, pois envolve a delimitação da região que será reconhecida como local de origem dos produtos. Outras etapas incluem a definição de padrões compartilhados de produção, com técnicas que sejam comuns a todos os agricultores e especificações sobre quais variedades de uva serão utilizadas.

Dez anos depois, nove vinícolas do Vale adquiriram uma Denominação de Origem (DO) — outra rotulação baseada na localização geográfica — para os seus produtos. A nova classificação era mais restritiva, pois introduzia novos métodos produtivos, com o intuito de melhorar a qualidade do vinho. A categorização também determinava uma redução nas safras, que deveriam ser limitadas a 12 toneladas de uva por hectare e a quatro quilos por parreira. A área de plantação também foi diminuída, de 81 para 74,5 quilômetros quadrados.

Segundo a FAO, o caso brasileiro mostra os desafios particulares das estratégias de indicação geográfica. Como resultado da adoção dos novos critérios, houve uma redução de 78% na produção das vinícolas certificadas entre 2012, quando passou a valer a Denominação de Origem, e 2014.

Atualmente, as vinícolas autorizadas a vender com a Denominação de Origem representam apenas 1% da produção do Vale dos Vinhedos, o que equivale a uma média anual de cerca de 190 mil litros.

De acordo com a FAO, os produtores que apostaram na indicação geográfica observaram uma inversão no modo como se inserem no mercado. Eles vendem menos quantidade, mas por um valor maior. O relatório da agência da ONU mostra que a microprodução dessas vinícolas — elas respondem por 0,45% de todo o vinho de qualidade feito no Brasil — é vendida sobretudo para um nicho de alto valor agregado no mercado doméstico.

Embora os decréscimos na produção possam assustar, estudos coletados pelo organismo internacional apontam que o lucro líquido do vinho vendido sob a Denominação de Origem é 115% maior que o da bebida feita no Vale dos Vinhedos, mas sem a certificação. Em 2015, o preço por litro do vinho com o reconhecimento era estimado em 6,60 euros. O valor médio do concorrente local sem a rotulagem era de 3,15 euros.

Acesse o relatório na íntegra clicando aqui.

FONTE: https://nacoesunidas.org/fao-defende-estrategia-de-comercializacao-de-alimentos-baseada-no-lugar-de-origem-dos-produtos/

 

 

Primeira degustação de renovação de certificados 2018 da Denominação de Origem Vale dos Vinhedos é realizada

Acervo Aprovale.JPG4 vinhos foram declarados aptos a irem ao mercado

O processo para a Denominação de Origem Vale dos Vinhedos (D.O.V.V.) é composto por inúmeros passos, muito valiosos na avaliação dos quesitos que caracterizam a D.O.V.V. como única. Uma das regras é a avaliação anual da safra, que normalmente acontece em setembro de cada ano. Tintos, brancos e vinhos-base para espumante passam pela primeira avaliação, que credita ou não ao direito de ter o selo da D.O.V.V., de acordo com as atribuições do produto avaliado: características provenientes das variedades de uvas, acidez, intensidade das cores, qualidade geral na taça, e afinidade com o terroir do Vale dos Vinhedos.

Quando aprovados nesta primeira avaliação, os vinhos recebem um certificado provisório que os qualifica como aptos, e podem seguir os procedimentos mínimos de envelhecimento conforme prevê o regulamento de uso: 12 meses para os tintos e 6 meses para os brancos, contados a partir do início de março. Já os vinhos-base para a tomada de espuma, deverão ter um período mínimo de contato com as leveduras, de 9

Após este processo de amadurecimento, os vinhos passam novamente pelo crivo de uma comissão de degustadores, que avaliará se o vinho está apto a ir ao mercado. Esta fase é chamada de “Renovação de Certificado”, pois atesta que, mesmo após o processo de amadurecimento, os vinhos mantém ou melhoraram sua qualidade e podem ostentar o selo da Denominação de Origem Vale dos Vinhedos.

A comissão de degustadores é altamente capacitada. É composta por enólogos da Embrapa Uva e Vinho, da ABE – Associação Brasileira de Enologia e de empresas associadas a Aprovale. A avaliação dos produtos inscritos, tanto no processo do ano, quanto nas degustações de renovação de certificado, é feita de forma totalmente sigilosa e as cegas: somente o consultor técnico da Aprovale sabe quais empresas estão concorrendo e qual a ordem das amostras degustadas. Antes mesmo da degustação, as amostras são coletadas e identificadas através de uma série de códigos apenas conhecidos por ele. Mesmo com o término da degustação, os enólogos participantes não tem acesso aos dados das amostras avaliadas, preservando assim aqueles que eventualmente são reprovados.

Após a aprovação do corpo de degustadores, as vinícolas são comunicadas e enviam a arte do rótulo para avaliação, já com a aplicação do selo da Denominação de Origem Vale dos Vinhedos. O rótulo é avaliado de acordo com as normas de uso do selo e, caso atendam as regras, o vinho recebe a numeração que vai em cada uma das garrafas a serem comercializadas. Cada garrafa da Denominação de Origem Vale dos Vinhedos recebe um número, que pode ser consultado no contrarrótulo do produto, o que possibilita rastrear o vinho e saber detalhes de todo o processo para obtenção do reconhecimento.

Anualmente são realizadas 4 degustações de renovação de certificado e eventualmente podem ser realizadas chamadas extras. Em 2018 a primeira degustação de renovação aconteceu na última sexta-feira, dia 20 de abril, nas dependências da Embrapa Uva e Vinho. 4 vinhos foram recomendados: 2 tintos e 2 vinhos-base para espumante. Nos próximos dias os rótulos destes vinhos serão encaminhados para avaliação e receberão a numeração para cada garrafa. Após, as vinícolas estão aptas a rotularem e venderem os produtos.

O calendário de degustações prevê a próxima avaliação para agosto, quando também inicia o processo para a D.O.V.V. 2018.

Vinícolas que ostentam a Denominação de Origem Vale dos Vinhedos
Reconhecida desde setembro de 2012, a Denominação de Origem Vale dos Vinhedos é pleiteada anualmente pelas vinícolas do Vale dos Vinhedos. Desde 2012, 10 vinícolas tiveram vinhos reconhecidos. São elas: Casa Valduga, Miolo Wine Group, Peculiare Vinhos Únicos, Pizzato Vinhas e Vinhos, Terragnolo Vinhos Finos, Vinhos Don Laurindo, Vinhos Larentis, Vinícola Almaúnica, Vinícola Cave de Pedra e Vinícola Dom Cândido.

Foto: Acervo Aprovale

Está oficialmente aberta a temporada 2017 da Denominação de Origem Vale dos Vinhedos

Naiára MartiniVinícolas associadas a Aprovale tem até o dia 06 de outubro para envio da documentação necessária para a abertura do processo

O Conselho Regulador da Indicação Geográfica do Vale dos Vinhedos, através do seu presidente, Daniel de Paris, declarou oficialmente aberta a temporada 2017 da Denominação de Origem Vale dos Vinhedos (D.O.V.V.).

Desde 2012, ano em que o INPI reconheceu a DO Vale dos Vinhedos, setembro e outubro são os meses oficiais dos trabalhos relativos a Denominação de Origem Vale dos Vinhedos no ano corrente. Neste período são inscritos os vinhos com potencial, elaborados na área delimitada, são comprovadas a origem das uvas, método de elaboração e qualidade dos produtos. É a oportunidade de fazer parte de uma seleta carta de vinhos que refletem a cultura, história e características do terroir do Vale dos Vinhedos, único no mundo.

Como funciona o processo?
O primeiro passo do processo refere-se ao envio do Formulário de Declaração de Safra juntamente com as atualizações das informações cadastrais das vinícolas solicitantes, que deve ser realizado até o dia 06 de outubro.
Conforme especificado em Regulamento de Uso, para solicitar a D.O.V.V. as vinícolas devem comprovar através desta documentação a procedência da uva utilizada, que deve ser totalmente da região demarcada.

Nos dias 09 e 11 de outubro serão recolhidas as amostras dos vinhos diretamente nas vinícolas solicitantes: sete garrafas por amostra são coletadas pelo Consultor Técnico da Aprovale, para facilitar as operações dos diferentes laboratórios envolvidos: da Embrapa Uva e Vinho e do Laboratório de Excelência do Estado (LAREN). Estas amostras são armazenadas em garrafas específicas para o processo, identificadas por códigos conhecidos somente pelo consultor que as coletou.

Após a coleta, as amostras são encaminhadas para análise sensorial. Aspectos organolépticos qualitativos e quantitativos serão avaliados por um comitê de degustação qualificado, composto por enólogos indicados por associados da Aprovale, um enólogo da Associação Brasileira de Enologia e 3 técnicos indicados pela Embrapa Uva e Vinho. Aspectos visuais, olfativos, gustativos e tipicidade varietal são avaliados às cegas pelos participantes, que apresentam seu parecer individual.

A Denominação de Origem Vale dos Vinhedos
Desde 2012 os vinhos do Vale dos Vinhedos apresentam aos consumidores o selo oficial da Denominação de Origem Vale dos Vinhedos, outorgado pelo INPI. Mas desde muito tempo as características do terroir e o saber fazer do Vale dos Vinhedos atribuem ao vinho características inigualáveis, que apresentam aos apreciadores desta bebida milenar o sabor desta região.

Para fazer parte da seleta lista de vinhos com Denominação de Origem Vale dos Vinhedos, normas estipuladas pelo Regulamento de Uso da D.O.V.V. precisam ser atendidas. Dentre elas estão: as variedades e cortes permitidos, o cultivo e a origem da uva, a forma de elaboração do produto e principalmente a qualidade deste na taça.

Conselho Regulador da Indicação Geográfica (IG)
Quem faz o controle da IG Vale dos Vinhedos é a Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos – Aprovale, através do Conselho Regulador da Indicação Geográfica. O Conselho é formado por representantes das vinícolas associadas, órgãos de pesquisa e ensino, além de consumidores.

Vinícolas que possuem rótulos com Denominação de Origem Vale dos Vinhedos
As vinícolas que possuem rótulos com a Denominação de Origem Vale dos Vinhedos são: Casa Valduga, Miolo Wine Group, Peculiare Vinhos Únicos, Pizzato Vinhas e Vinhos, Terragnolo Vinhos Finos, Vinhos Don Laurindo, Vinhos Larentis, Vinícola Almaúnica, Vinícola Cave de Pedra e Vinícola Dom Cândido.
Os produtos podem ser reconhecidos pelo selo abaixo, impresso em seus rótulos.

Foto: Naiára Martini

Indicação Geográfica Vale dos Vinhedos é apresentada em eventos no Espírito Santo

do.jpgcropped-primavera-vale-dos-vinhedos010-fotos-gilmar-gomes1.jpg

O Vale dos Vinhedos é pioneiro quando se trata de Indicações Geográficas no Brasil. A localidade mundialmente conhecida pela elaboração de vinhos finos de qualidade foi reconhecida em 2002 como Indicação de Procedência (I.P.) e em 2012 como Denominação de Origem (D.O.). Ambas as nomenclaturas identificam que uma região elabora um produto reconhecido, que reflete características únicas, resultantes das variações climáticas, da terra, do cultivo, da cultura e do saber fazer de um local.

Por ter sido a primeira I.P. e a primeira D.O. de vinhos no Brasil, o case do Vale dos Vinhedos é solicitado em inúmeras palestras pelo Brasil, geralmente em localidades que buscam aprimorar-se no tema para também solicitar junto ao INPI o reconhecimento de suas regiões como Indicações Geográficas (I.G.).

ig

No segundo semestre de 2016, após participar de dois Encontros da Comissão de Estudo Especial (CEE) de I.G. da ABNT e Grupo de Trabalho das IGs brasileiras, um em Florianópolis e outro no Rio de Janeiro, e além de receber grupos técnicos do Paraná e de Roraima, os meses de outubro e novembro foram de apresentação do case e de aprendizado no estado do Espírito Santo. O consultor técnico da Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos – Aprovale, Jaime Milan, foi o representante da entidade e palestrante nestes eventos.

No dia 13 de outubro o Vale dos Vinhedos participou do Fórum Origem Capixaba: Indicações Geográficas e Marcas Coletivas, promovido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e pela Superintendência Federal de Agricultura no Espírito Santo. Na oportunidade, além de participar da solenidade de posse dos membros do Fórum, foi realizada uma apresentação sobre a IG do Vale dos Vinhedos para vinhos e espumantes.

Entre 21 a 23 de novembro o Vale dos Vinhedos retornou ao Espírito Santo, desta vez para o Curso Básico de IG e Marcas Coletivas. O case do Vale dos Vinhedos foi apresentado em duas oportunidades para um grupo de 40 técnicos, provenientes do norte e nordeste do Brasil. O evento foi organizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e Sebrae, com a finalidade de atualização de seus quadros . No primeiro dia a temática foi o “Regulamento de Uso de IG e Regulamento de Utilização de Marcas Coletivas”. No segundo foram analisadas as “Normas de controle”.

parceiros

Segundo Jaime Milan, “o pioneirismo da Aprovale é reconhecido em todo o país, razão pela qual é solicitada a apresentar sua experiência a diferentes segmentos do agronegócio brasileiro. O próximo será no dia 9 de dezembro, para produtores de café do oeste de Minas Gerais. Estas demandas são muito gratificantes, pois reconhecem e valorizam o trabalho conjunto de agricultores, empresários, Embrapa, entidades de ensino, Sebrae e prefeituras dos municípios que formam a região demarcada. Mais importante ainda é poder repassar estes conhecimentos aos brasileiros que trabalham pelo desenvolvimento deste país”.

A Aprovale encerra seu ciclo de viagens e palestras de 2016 com um Workshop sobre Indicações Geográficas no dia 09 de dezembro às 17h, na cidade de Santo Antônio do Amparo, em Minas Gerais. O objetivo é trocar experiências com produtores de café no Sul de Minas Gerais na região Campo das Vertentes.

Algumas palestras já realizadas em 2016:
Foto 1: Conferência realizada na sede da Aprovale com alunos do Grupo GeRedes Unisinos. Na oportunidade o presidente da Aprovale, Márcio Brandelli, a diretora de associados setoriais, Maria Alice Farina e o consultor técnico, Jaime Milan apresentaram o case do Vale dos Vinhedos.

Foto 2: Palestra aos alunos do Curso de Gestão em Turismo do Instituto Federal de Santa Catarina, campus de Sombrio. A turma de Gestão em Turismo visita o Vale dos Vinhedos todos os anos, com novos alunos, e participa de palestra sobre o Vale dos Vinhedos.

Foto 3: Produtores de Cachaça de Paraty – RJ, em evento de troca de experiências entre as duas Indicações Geográficas: o Vale dos Vinhedos como IG de vinhos e Paraty como IG de cachaça.

Fotos de Naiára Martini

Merlot com Denominação de Origem Vale dos Vinhedos chega para celebrar os 15 anos da Vinhos Larentis

noticias-download3831

Vinícola do Vale dos Vinhedos apresenta diferenciado Merlot da safra 2013 DOVV, elaborado a partir de uvas de uma parcela única do Vinhedo Santa Lúcia

Com goles de comemoração, a Vinhos Larentis celebra seus 15 anos colocando no mercado neste mês de outubro seu mais distinto Merlot. São apenas 1.465 garrafas elaboradas a partir de uma partilha limitada de uvas colhidas em 2013, numa área de 0,53 hectares do Vinhedo Santa Lúcia. O vinho é fruto de um single vineyard, em português, vinhedo único. A exclusividade do vinho ganha ainda mais destaque por trazer Denominação de Origem Vale dos Vinhedos (DOVV), na Serra Gaúcha.

A parcela 1.1 foi escolhida pelos aspectos técnicos do vinhedo. A excelente exposição solar, o solo de textura argilosa, o relevo ondulado e bem drenado proporcionaram condições ideais, que aliados aos cuidados e a dedicação da família Larentis resultaram em uvas de altíssima qualidade e, por consequência, em um vinho particular. Após a colheita manual, as uvas passaram por uma seleção para, então, ser dado início ao processo de elaboração do vinho, por meio de controle de temperatura, realização de pigeage e remontagem durante a fermentação, maceração prolongada e fermentação malolática em barricas.

Após passar pela maturação em cinco barricas francesas durante 12 meses e com envelhecimento em garrafas na cave por outros 18 meses, tornou-se um vinho com personalidade, complexo, equilibrado e persistente.

O primeiro vinho com DOVV da Vinhos Larentis é apresentado justamente no ano em que a vinícola completa 15 anos. Uma data especial, sem dúvida, e que merece um presente diferenciado. O lançamento também merece rótulo especial, que valoriza justamente a parcela única (1.1) onde a uva Merlot é cultivada no Vinhedo Santa Lúcia. “São conquistas importantes, resultado do trabalho diário de toda a família, sempre em busca do melhor”, comemora André Larentis, enólogo da Larentis.

andre-larentis

André Larentis assina rótulo
As comemorações da Vinhos Larentis continuam. O primeiro vinho DOVV da vinícola chegou por meio das mãos e de muita dedicação do enólogo André Larentis, que assina o novo rótulo. André, que faz parte da quinta geração da família, é filho de Larri e Vera Larentis.

Aos 26 anos e formado em Viticultura e Enologia, André tem na bagagem cursos e imersões técnicas em vinícolas pelo mundo. Estados Unidos e Itália foram destinos de aprendizado e experiências. Além de preparo, o enólogo vive a vitivinicultura. Desde sempre soube da responsabilidade que tem à frente do empreendimento da família. “É a realização de um sonho semeado, cultivado e colhido em família. É o primeiro projeto que participo desde a preparação do solo. Foram oito anos dedicados a colocar toda magia de uma parcela de um vinhedo na garrafa e estamos felizes com o resultado”.

vinhos-larentis

Um longo caminho até a DO
A Vinhos Larentis é privilegiada por estar localizada no Vale dos Vinhedos, a primeira região com Denominação de Origem (DO) de vinhos no Brasil. No entanto, para integrar o importante grupo de vinícolas com vinhos com DO, foram meses de trabalho para cumprir uma série de procedimentos.

A norma estabelece que toda a produção de uvas e o processamento da bebida sejam realizados na região delimitada do Vale dos Vinhedos. Além disso, a DO também apresenta regras de cultivo e de processamento mais restritas que as estabelecidas para a Indicação de Procedência (IP).

Para receber o certificado foi necessário comprovar a procedência da uva, que neste caso tem 100% em área demarcada do Vale dos Vinhedos. Além disso, a produtividade de 4,2 toneladas por hectare também foi determinante, uma vez que o máximo permitido é de 10 toneladas por hectare.

O vinho também precisou ser aprovado em análises físico-químicas e na avaliação sensorial (degustação às cegas), realizada pelo Comitê de Degustação, composto por técnicos da Embrapa Uva e Vinho, da Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos (Aprovale) e da Associação Brasileira de Enologia (ABE).

Fotos: Divulgação/Vinhos Larentis

Vale dos Vinhedos recebe comitiva de produtores de queijo Canastra

2

Encontro permitiu a troca de experiências e conhecimentos entre as Indicações Geográficas

O Vale dos Vinhedos encerra o mês de novembro recebendo mais um grupo para visita técnica e apresentação do case como Indicação Geográfica e rota turística.
Na manhã de hoje, 30 de novembro, um grupo de 13 pequenos produtores de queijo Canastra, acompanhados por técnicos do Sebrae e Secretarias de Turismo de Minas Gerais, conheceram a sede da Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos – Aprovale, e em conversa descontraída, puderam conhecer a experiência do Vale dos Vinhedos com a Denominação de Origem.
Os produtores também debateram com o consultor técnico da Aprovale – palestrante do dia – as dificuldades e vantagens trazidas para a região produtora da Canastra, após o reconhecimento da mesma como Indicação Geográfica.
Além de conhecer a sede da Aprovale, o grupo realizou visitas técnicas à Queijaria Valbrenta, referência na produção de queijos em nossa região e as vinícolas Almaúnica e Miolo, que possuem produtos com Denominação de Origem Valem dos Vinhedos.

Queijo Canastra
O Queijo Canastra é um típico queijo brasileiro, com produção em Minas Gerais, especificamente na Serra da Canastra. Produzido há mais de duzentos anos, possui características típicas em consequência do clima, da altitude, dos pastos nativos e das águas da Serra da Canastra, que proporcionam a esse queijo um sabor único: forte, meio picante, denso e encorpado. Desde maio de 2008 o queijo canastra é patrimônio cultural imaterial brasileiro, título concedido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN. Também é uma importante Indicação Geográfica Brasileira, referência na produção e qualidade.

Denominação de Origem Vale dos Vinhedos
O Vale dos Vinhedos é pioneiro na Denominação de Origem de vinhos no Brasil, estampando a identidade e a qualidade dos vinhos elaborados no roteiro para o restante do mundo. A DO foi conquistada em setembro de 2012.
Para obter a DOVV, as vinícolas associadas devem elaborar vinhos finos, como tintos, brancos e espumantes, com requisitos específicos, detalhados pelo Regulamento de Uso e pelas Normas de Controle da IG. As regras dizem respeito à aspectos como a produtividade máxima obtida pelos vinhedos; das variedades de uvas e a forma como elas devem ser processadas na elaboração das bebidas.