Novos sabores na mesa do Villa Michelon, no Vale dos Vinhedos

villa2Cardápio chega com porções mais fartas, valorizando elementos da cultura regional

No Vale dos Vinhedos, é o paladar que provoca as melhores experiências. Da boca à emoção, todos os sentidos entram em ação. O Hotel Villa Michelon, encravado no roteiro enoturístico mais charmoso do Brasil, coloca na mesa de seus hóspedes seu novo cardápio, resultado de um trabalho que alia sabor e fartura com pratos que valorizam a cultura do imigrante italiano e seus descendentes, os produtores locais. A viagem gastronômica pode ser vivenciada por hóspedes e também pelo público no Restaurante Bela Vista, que integra o complexo turístico do hotel.

Cada prato foi pensado em particular. “Queremos que nossos hóspedes vivenciem experiências sensoriais. Nosso cardápio é um convite ao prazer da boa mesa em refeições que complementam a experiência de estar hospedado no Villa Michelon”, destaca o proprietário e diretor geral do hotel, Moysés Luiz Michelon. Segundo ele, cada ingrediente tem relação com a cultura regional, regra que foi seguida à risca pela consultora e chef Janete Maria Canello, que contou com o envolvimento da equipe do hotel. Responsável pelo estudo e testes que resultaram num cardápio variado e rico em sabores, Janete priorizou o uso de produtos locais, criando pratos que de alguma forma lembram a colonização italiana. “Poder utilizar temperos e alguns verdes da salada, colhidos diariamente na horta do hotel, na preparação dos pratos é um grande diferencial”, ressalta Janete.

villa1

“Reformulamos todo cardápio. Diminuímos a quantidade de pratos, porém trabalhamos com porções mais fartas, proporcionando uma refeição completa”, assegura a chef. São 24 pratos, entre saladas, sopas e cremes, massas, pizzas, risotos, carnes, aves e sobremesas, além de três opções elaboradas especialmente para as crianças. O segredo de cada prato está no amor do preparo e no uso de ingredientes selecionados. Temperos e especiarias, por exemplo, vêm da horta e do herbário do hotel, cultivados para tornar cada refeição um momento único. Entre as sobremesas, o sagu com creme não perde seu posto, sendo sempre uma boa pedida entre os hóspedes.

Outro cuidado é o tempo médio de preparo de cada prato, que não ultrapassa os 30 minutos. O restaurante não cobra taxa de serviço.

Por que Bela Vista?
Na década de 1940, Antonio Michelon, pai de Moysés Michelon, assumiu o Hotel Bela Vista, no centro de Bento Gonçalves. O empreendedorismo dele esteve presente durante toda a trajetória do filho, inclusive na concepção do Villa Michelon. Ao finalizar o restaurante e ver que a paisagem do entorno era fantástica, o empresário não teve dúvida. O nome seria Restaurante Bela Vista.

Restaurante Bela Vista – Hotel Villa Michelon
Horário de funcionamento:
Café da manhã: 7h às 10h
Almoço: 12h às 14h30min
Jantar: 19h30min às 22h30min

Fotos: Eduardo Benini

Queijaria Valbrenta, onde “non si fabbrica, si fa”

ubirajara-cruzFoto de Ubirajara Cruz

Como dizem em Parma, “Valbrenta non si fabbrica, si fa”. No Vale dos Vinhedos esta filosofia é muito forte. Por aqui, não fabricamos. Elaboramos produtos com o carinho que a matéria prima e o consumidor final merecem, em processos quase caseiros, fugindo da linha de produção de grandes indústrias. Porque afinal de contas, foi assim que aprendemos com nossas nonas e nonos: a valorizar, ressaltar o que vem da terra e beneficiar com carinho.

Na Queijaria Valbrenta, única queijaria localizada no início da Estrada do Vinho, no Vale dos Vinhedos “si fa”. Com ingredientes de qualidade, respeitando as normas técnicas e sanitárias, mas também permitindo a ação dos microorganismos e condições locais, são elaborados 50 quilos de queijo por dia, no estilo mais apropriado ao local onde está instalada: respeitando o terroir.

O termo terroir está diretamente associado ao vinho. Segundo a Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), Terroir é

“o conceito que remete a um espaço no qual está se desenvolvendo um conhecimento coletivo das interações entre o ambiente físico e biológico e as práticas enológicas aplicadas, proporcionando características distintas aos produtos originários deste espaço.”

01

É mais ou menos por aí que o conceito da Valbrenta se encaixa. A preocupação no acompanhamento da matéria prima e as influencias do saber fazer e do ambiente em que se insere refletem diretamente no produto final, assim como acontece com o vinho do Vale dos Vinhedos. A variação climática, as mudanças na estação, a alimentação oferecida as vacas leiteiras e o trabalho realizado na queijaria proporcionam queijos diferenciados e artesanais que somente podem ser concebidos ali, naquele local.

A Valbrenta foi inaugurada no Vale dos Vinhedos no ano de 2003 pelas famílias Pissoli, Martin Bianco e Guerra sob a inspiração de Renzo Negri. Os quase 18 mil quilos de queijo/ano não são apenas a capacidade de elaboração. São uma escolha e questão de sobrevivência em meio a um mundo repleto dos mais variados tipos de queijos. Por isso a concepção da empresa, desde o início, gira em torno de fazer o melhor que se pode, em pequena quantidade, para um público especial.

queijaria-valbrentaFoto de Gilmar Gomes

Especial também são os queijos, que estão realmente longe de serem simples queijos tradicionais. Ao adentrar na casinha charmosa de madeira, réplica das primeiras casas de imigrantes, é possível encontrar uma variedade incrível e saborosa. Que tal um Queijo Itálico temperado com tomate seco, ou com orégano e pimenta? Ou ainda um Queijo Gouda com casca vermelha? O Queijo Tilsit tem a casca pintada com urucum e massa enriquecida com Alcarávia (Kümmel), que dá um charme incrível numa tábua de queijos. O Queijo Saint Paulin vem temperado com nozes e o Queijo Fundido vem com alho e salsa. A lista ainda inclui o Queijo Reggiano, massa pronta para fondue e doce de leite. Uma variedade incrível de possibilidades, cores e sabores.

A nossa dica preciosa é provar e adquirir no varejo da Valbrenta dois sabores especiais que vão te surpreende: primeiro o Queijo Morbier, super cremoso, possui uma faixa de carvão ativado de efeito decorativo em seu interior. Numa tábua de queijos pode substituir o Camembert ou o Brie e, além do sabor, fica lindo em termos de apresentação em uma noite queijos e vinhos.

E o queijo que é a cara do Vale dos Vinhedos, o Queijo Itálico ao Vinho, mais maturado que o Queijo Itálico da linha tradicional, é imerso em vinho tinto por uma semana no processo final de elaboração. O sabor e o aroma podem ser percebidos delicadamente durante a degustação. É lindo de se ver!

queijo-ao-vinho

A Queijaria Valbrenta fica localizada na Estrada do Vinho, no Vale dos Vinhedos. Não tem erro: ao percorrer a estrada principal do Vale por 2 km, você verá, do lado direito, uma simpática vaquinha malhada. Estacione e delicie-se, diariamente, das 10h às 17h30min. Ali, além dos queijos, você encontrará uma infinidade de produtos regionais deliciosos e atendentes que podem lhe auxiliar na escolha dos melhores produtos e na harmonização.

E claro, pra complementar a sua rota “queijos e vinhos”, o Vale dos Vinhedos tem um cardápio vasto de vinícolas que também podem lhe atender e ajudar na harmonização com seus queijos.

Saiba mais no www.queijariavalbrenta.com.br

Engenho do Vale aposta na gastronomia como novo atrativo

saka-rolha

A Engenho do Vale iniciou suas atividades no Vale dos Vinhedos com a confecção e venda de móveis personalizados no estilo rústico e recuperação de móveis antigos.

Com o passar dos anos, percebeu-se a demanda referente a comercialização de produtos regionais, vinhos, espumantes nacionais e importados e sucos. Foi aí que surgiu o Saka Rolha, montado dentro de antigas pipas de vinho, com um deck com vista para o por do sol.

saka-rolha-2

Hoje o Engenho do Vale lança mais uma novidade para seus clientes, com o objetivo de homenagear a gastronomia regional aliada a um bom vinho.

A partir desse final de semana, dias 22 e 23 de outubro, entra em funcionamento o restaurante Engenho do Vale, com atendimento aos sábados e domingos, das 11h às 15h.

No cardápio estão as tradicionais iguarias da cultura italiana: sopa de capeletti, radiche com bacon, maionese, polenta e queijo na chapa, massas caseiras (Espaguete ao molho pesto, macarrão ao molho de queijos e tortéi ao molho sugo). Como diferencial, o cardápio é complementado com torradas e caponata, mix de folhas com lascas de queijo, filé grelhado e sobrecoxa desossada no forno. Como sobremesa, o tradicional sagu de vinho tinto com creme.

Sem cobrança de 10%, o valor do almoço é de R$ 49,00 por pessoa. No menu de bebidas diversos vinhos tintos, brancos e espumantes nacionais e importados, cervejas, sucos.

Para saber mais basta seguir o Saka Rolha no Facebook: www.facebook.com.br/lojasakarolhaeengenhodovalerestaurante

Cave de Pedra: um castelo de sonhos em meio ao Vale dos Vinhedos

Cave de Pedra2

Um castelo medieval em meio a parreiras verdes e carregadas de uvas, sob o céu estrelado em uma noite de temperaturas amenas. Luzes e flores coloridas enfeitando um caminho ajardinado e uma ponte de pedra elevada que antecede o castelo. Pessoas queridas recepcionadas por músicas românticas e taças de espumante, e um jantar harmonizado de dar água na boca, seguido de um baile animado…

zeto-teloken

Apesar de parecer uma narrativa de conto de fadas, essa também pode ser a descrição de muitas comemorações ocorridas na Cave de Pedra Winery, o cenário dos sonhos para muitos casais apaixonados que desejam reforçar seus votos de amor através do casamento. Ou ainda um lugar muito charmoso para uma formatura, um aniversário ou uma simples visitação turística.

Localizada no Vale dos Vinhedos desde 10 de junho de 1997, a vinícola reconhecida por seus espumantes premiados, é também um dos locais mais procurados pelos casais apaixonados para realização de seus casamentos. A combinação entre arquitetura, bons vinhos e serviço são características fundamentais que fizeram da Cave de Pedra referência.

A inspiração para a construção da empresa foram os castelos medievais. Todo construído em basalto, os grandes salões da Cave de Pedra dividem espaço com corredores misteriosos a meia luz, parreiral modelo com variedades diversas e estátuas de soldados que protegem o maior tesouro que ali pode ser encontrado: o amor de todos os casais que ali casaram, e as barricas de vinho produzidas pela empresa.

imagem-marcos-nagelsteinuolFoto:Marcos Nagelstein / UOL

A Cave de Pedra, além de ser referência em eventos, é também uma das primeiras vinícolas Boutique do Brasil, cuja principal característica é a elaboração limitada de produtos: em média 45 mil garrafas ano. Sua estrutura em basalto vai além da beleza: também foi pensada para armazenar os vinhos e espumantes, evitando a variação de temperatura.

A tipicidade do terroir do Vale dos Vinhedos é trabalhada pela equipe da casa em linhas variadas: tintos, brancos, espumantes e licorosos que se dividem entre as linhas Cave de Pedra Winery, Adaga, Pedra D`Oro e Rosa Negra.

Danilo Ucha.jpgFoto: Danilo Usha

Apesar de trabalhar em diversas frentes, o destaque da Cave de Pedra fica por conta dos Espumantes. As variedades Brut, Extra Brut e Moscatel possuem inclusive safras premiadas internacionalmente. Reforçando a qualidade reconhecida destes espumantes, com o Espumante Natural Brut Cave de Pedra Winery 2012, elaborado pelo método tradicional, primeiro produto da empresa com a Denominação de Origem Vale dos Vinhedos, rigorosamente analisado para receber este reconhecimento.

A Cave de Pedra também vem se destacando em função do seu enoturismo. Nos últimos anos a estrutura foi profissionalizada, o que proporciona ao visitante uma imersão no mundo do vinho. O roteiro inicia no túnel do castelo, passa pelas caves subterrâneas, área de amadurecimento, setor de elaboração dos vinhos e espumantes, vinhedos, passa pelas torres do castelo para fotos e apreciação da paisagem do Vale dos Vinhedos e encerra com a degustação orientada de vinhos e espumantes.

naiara-martini-6Foto: Naiára Martini

As visitas na Cave de Pedra acontecem de segunda a sábado e feriados, das 09h30min às 18h (primeiro tour as 10h e último tour as 17h). Domingos, das 09h30 às 17h (primeiro tour as 10h e último tour as 16h). O valor é de R$ 30 por pessoa.
Maiores informações no http://www.cavedepedra.com.br

Cave de Pedra Winery realiza primeira degustação harmonizada

Cave de Pedra2.jpg

Vinícola localizada no Vale dos Vinhedos realizará a primeira edição do evento no dia 09 de agosto

Cozinhar é uma terapia e a harmonização é uma arte. Como toda a arte, esta também pode ser aprendida e aprimorada.

É com muita alegria que a equipe da Cave de Pedra e o Vale dos Vinhedos convidam você – apreciador, iniciante, enófilo ou conhecedor de vinhos – para a 1ª Degustação Harmonizada da Cave de Pedra.

Além do ambiente diferenciado e aconchegante, grandes vinhos tintos e espumantes Cave de Pedra foram selecionados para harmonizar com petiscos, com o objetivo de testar e explicar na prática o casamento perfeito entre vinho e gastronomia.

Serão 6 rótulos entre vinhos tintos e espumantes combinados com alimentos diversos e um bate papo sobre esse assunto que não é somente para entendedores, mas para aqueles que desejam aprimorar seu conhecimento sobre o vinho.

O investimento para participar deste evento é de R$ 90,00 por pessoa e os ingressos podem ser adquiridos pelos números (54) 3459.1267 ou (54) 9674.9318 com Tauana ou Dougli.

Mas atenção: para tornar esta experiência ainda mais agradável, serão oferecidas apenas 10 vagas. Reserve a sua com antecedência e viva esta experiência no Vale dos Vinhedos.

SERVIÇO
O que: Degustação Harmonizada da Cave de Pedra.
Data: 09 de agosto
Horário: 18h30min
Local: Varejo da Cave de Pedra, no Vale dos Vinhedos
Valor por pessoa: R$ 90
Ingressos e informações: 54.3459.1267 ou 54.9674.9318 com Tauana ou Dougli

Cave de Pedra

Giordani Gastronomia Cultural: a história por trás da boa mesa e das paredes em madeira

Giordani2

Passear por algumas estradas do Vale dos Vinhedos é como viajar no tempo. Um portal invisível nos transporta para épocas onde as atividades diárias eram simples e prazerosas e, a partir daí, aproveitar o tempo sem pressa se torna uma obrigação. Respirar o ar puro, ouvir o som dos pássaros e encontrar eventualmente alguma casa antiga, que guarde memórias e histórias dos antepassados, nos faz sentir parte de toda a vida que pulsa no Vale dos Vinhedos.

Um dos casarões antigos e cheios de história que podem ser encontrados no Vale dos Vinhedos é o que abriga o Giordani Gastronomia Cultural. Impossível não se encantar ao passar em frente ao imponente prédio na beira da Via Trento.

Apesar de famoso pela gastronomia que resgata a história dos imigrantes, o que poucos sabem é que o restaurante guarda em sua estrutura arquitetônica uma linda história de perseverança e amor pelo passado, amor pela família e pelas bases que esta criou para que gerações de descendente se mantivessem fortes e vivas. Estamos falando de uma das mais tradicionais famílias da região do Vale dos Vinhedos: a família Giordani.

Zelavir
Zelavir Giordani, construtor do casarão, e sua esposa, sra.Dulce, rodeados pelos netinhos.

As memórias dos Giordani encontram-se ali, as margens da Via Trento, nos alicerces que sustentam o charmoso casarão rústico de madeira que abriga o Giordani Gastronomia Cultural. De origem italiana, costumes tipicamente interioranos e subsistência rural, o grande responsável pela construção do prédio foi o patriarca Zelavir Paulo Giordani, que conta com orgulho os detalhes da obra, que ergueu com as próprias mãos.

O resgate da história e a reconstrução do prédio teve início no ano de 2005, nas horas vagas de Zelavir. Ele tinha como subsistência o cultivo de frutas, mas como sonho a construção de uma pousada em formato de pipa, o barril de vinho.

A concepção inicial não evoluiu, o projeto mudou. Mas Zelavir não abandonou o sonho de ter as pipas em sua construção. Com o objetivo claro de resgatar a cultura local e construir um ambiente peculiar repleto de história sem perder a simplicidade, ele utilizou a madeira de antigas pipas de vinho de uma cooperativa vinícola da região. Com elas fez a parte interna, aberturas e mesas da casa. Foram cerca de 10 barris de vinho de grande porte, desdobrados e plainados para dar origem a construção, que posteriormente foi revestida com madeira de jatobá, afinal as pipas de vinho eram grandes, porém não possuíam as tábuas de 6 metros de altura que a construção exigia.

Acredita-se que sete metros cúbicos de pipas de vinho originaram esta construção. São paredes que guardaram a média de 115 a 130 mil litros de vinho cada, por ano de produção, durante 5 décadas.

Naiára Martini
Ambiente decorado com peças antigas de diversas épocas. Foto de Naiára Martini.

Com 400 metros quadrados de área, o prédio conta com um porão de pedra, construído na estrutura da antiga casa da Família Giordani. Este espaço é carinhosamente chamado de Cantina Nono Béppi, pois ainda guarda as pedras originais da primeira construção. O salão principal, no primeiro andar, é a Casa Ottone, que abriga o restaurante e um armazém com produtos regionais. O segundo andar é a moradia da família, que conta também com um sótom.

A casa ainda guarda objetos antigos de diversas épocas, como uma homenagem aos antepassados, e que constroem um ambiente interno acolhedor e aconchegante. O destaque da decoração fica por conta da cultura da uva e do vinho: uma roda de carroça foi transformada no lustre da iluminação central do ambiente principal. Garrafões de vinho cuidadosamente trabalhados de forma artesanal deram origem aos lustres da iluminação lateral. Garrafas de vinho, pipas, cristaleiras, espelhos de época deixam o ambiente ainda mais característico.

Giordani
Gastronomia de resgate oferecida pelo Giordani Gastronomia Cultural. Foto de Eduardo Benini

E se não bastasse, a Família Giordani abre as portas deste lindo casarão aqueles que desejam saborear a gastronomia cultural da imigração italiana, resgate da origem do Vale. Com sabor caseiro da comida da nona, os pratos servidos são o convite para horas de papo ao redor da mesa, com a simpatia do atendimento daqueles que tem muita história pra contar. Os sabores e aromas da região são regados a um bom vinho do Vale dos Vinhedos, também vendidos no armazém da casa.

Além do tradicional galeto, da sopa de capeleti, do radicci com bacon e da polenta, o Giordani oferece uma variedade de massas, o nhoque, a costelinha suína, o tortéi. Na sobremesa, além do sagu com creme, tem ambrosia, biscoitos, chás, cachacinhas artesanais e tantas outras delícias. Para se fartar de história, cultura e boa comida!

Vinícola Almaúnica: vinhos únicos e com a alma do Vale dos Vinhedos

Almaúnica3

No Vale dos Vinhedos, desde a infância já se vive o vinho, mesmo que não seja permitido degustar. Para aqueles que não foram concebidos aqui, mas foram criados ou tomaram o Vale como sua terra para a vida, sabem que o amor e a relação de afeto pela uva e seus derivados paira no ar. É como um vírus que circula com os ventos, que contamina aos poucos todos aqueles que por aqui passam.

Mesmo que não se trabalhe com a terra, com a uva, com o vinho, este carinho é intrínseco e contagiante. Estar no Vale e não sentir vontade de ir pra lida, labutar e sujar as mãos com o melhor que a terra oferece, é praticamente impossível.

Almaúnica
Magda e Márcio Brandelli, os irmãos que comandam a Almaúnica, no Vale dos Vinhedos

Foi neste contexto que os irmãos Magda e Márcio Brandelli foram criados. A gemelidade de ambos não é apenas genética, mas também transmitida na personalidade, na vida em família e na relação com o trabalho. Indo contra as teorias que dizem que irmãos gêmeos possuem gostos diferentes, uma coisa é certa: estes dois irmãos possuem o talento comum de conhecer e criar grandes vinhos e herdaram de seus pais o amor pela terra onde vivem.

Almaunica 4
Don Laurindo e Doracy Brandelli, ladeados por Magda e seu esposo Edson e Márcio e sua esposa Denise.

A família Brandelli é uma família tradicional e referência quando se fala em vinho. Márcio e Magda são o resultado de um amor conhecido por estes lados da Serra: entre Laurindo Brandelli – o Don Laurindo – , e a sra. Doracy Brandelli. Ambos partiram faz pouco desta vida, mas em homenagem a eles, seus filhos seguem no ramo tão querido, sem que seja uma obrigação.

Magda e Márcio fundaram em 2008 a Vinícola Almaúnica, atualmente a mais jovem do Vale. Levando em seu DNA uma paixão secular pelos vinhos, os irmãos montaram uma empresa que alia tradição familiar com propostas inovadoras, embasadas no desejo de elaborar produtos nos quais se expressa o amor e o carinho pelas videiras e arte de elaborar vinhos com alegria e prazer.

A Almaúnica foi planejada para produzir garrafas limitadas de cada vinho, aproveitando ao máximo o terreno e suas declividades para que o visitante fosse envolvido neste universo. O processo para a elaboração de vinhos e espumantes também é influenciado pela posição solar e disposição de cada etapa de produção dentro do prédio localizado na Linha 8 da Graciema.

Um dos principais diferenciais desta vinícola é o apreço a gravidade e seus efeitos. A essência do processo de passagem pelos estágios de produção tem como único impulso a força gravitacional, onde o vinho vai para tanques sem bombeamento, anulando os riscos de que sementes e cascas sejam esmagadas e alterem o sabor da bebida. O mesmo processo ocorre durante o enchimento dos barris e engarrafamento. De forma lenta, natural e sem a consequente entrada de oxigênio resultante do bombeamento, o vinho não oxida e os aromas são mantidos.

Almaunica 2
Os efeitos da gravidade são aproveitados do início ao fim do processo, passando pelo amadurecimento em barricas, e terminando no engarrafamento.

A Almáunica possui 2,5 hectares de vinhedos próprios provenientes de um período de preparo e correção do solo. Cabernet Sauvignon, Merlot e Chardonnay são as variedades que recepcionam os visitantes e emolduram a empresa. Outros 4 produtores locais são acompanhados de perto e fornecem as outras variedades utilizadas na elaboração.

A carta de produtos é bastante atrativa e promete novidades para 2016.Dentre os tintos, as variedades trabalhadas são Merlot (inclusive com Denominação de Origem Vale dos Vinhedos e versão 375 ml), Cabernet Sauvignon e Pinot Noir. Destaque para o Malbec com maturação de 16 meses em barrica e o Syrah com envelhecimento em barricas por vinte meses.

Dentre os brancos e espumantes, o Sauvignon Blanc, Brut, Moscatel, Nature e o Cuvée Prestige Brut Rosé.

E sem dúvidas, as estrelas da casa surpreenderão você: Almaúnica Quatro Castas, um corte de Syrah, Merlot, Malbec e Cabernet Sauvignon. Não deixe de provar o branco Chardonnay Denominação de Origem Vale dos Vinhedos.

Almaúnica2
Varejo localizado no Vale dos Vinhedos, onde podem ser degustados os produtos da Almaúnica.

A Almaúnica, como o nome já diz, é única. Trata-se da mistura bem feita entre os valores e culturas tradicionais do vinho, de uma família secular na lida, mas com a modernidade de uma vinícola que nasceu para ser eternamente jovem.

Conheça pessoalmente a empresa. Visitas guiadas são oferecidas de segunda a sábado, às 10h30min e às 15h30min. Mas diariamente a Almaúnica está aberta para que você deguste e conheça os produtos. O valor da degustação ou degustação com visitação é de R$ 30 por pessoa.

Saiba mais no site da Almaúnica: www.almaunica.com.br